sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sala de espera



Hoje eu me dei conta de uma coisa: eu estou numa grande sala de espera da vida. Parece até que eu acabei de chegar, mas na verdade eu já estou por aqui há um bom tempo.
E se você é um ser humano - e creio que seja - deve saber muito bem que esperar é o ó - uma velha expressão para lembrar dos bons tempos.
Se pudéssemos escolher algo prático para nossas vidas e essa fosse uma das opções, com certeza escolheríamos não esperar. A gente quer tudo pra agora, porque estamos em um momento da história em que não há tempo a perder. Tudo muda muito rápido e você não tem que querer se adaptar, mas você precisa fazer isso.
Eu trabalhava numa empresa da internet onde as mudanças eram tão constantes que, em uma das reuniões, foi dado um exemplo interessante sobre isso: “aqui é assim: o carro tá andando e a gente tá trocando os pneus com ele em movimento mesmo”.
Tenho uma notícia pra você: todo o resto também é assim. Por isso que às vezes temos a impressão de que estamos mais velhos do que realmente somos. É como se, ao passar o período de um ano, a sensação é de que foram dois anos! Não é uma loucura??
Quero deixar bem claro que não digo isso com admiração alguma. Se dependesse de mim, algumas coisas podiam ser mais lentas. Mas há uma ironia em que, mesmo vivendo nesta constante atmosfera de aceleração todos os dias, alguns de nós continuamos na sala de espera. E ainda que odiemos as vezes que as coisas sejam tão rápidas, odiamos mais ainda que, na sala de espera, a coisa seja devagar até demais.
Geralmente, quando estou na sala de espera de um lugar em que nunca estive antes, e não conheço bem os procedimentos, eu fico meio ansiosa e insegura. Meus pensamentos são sempre: Precisa pegar senha? É aqui mesmo? Mas vão chamar pela senha ou pelo nome?
Ou seja, eu tenho expectativas que tendem a pender tanto para o lado positivo, quanto para o negativo. Sabe, eu posso ficar horas ali e sequer ser chamada se não for a sala certa. Ou eu posso ser chamada e receber boas notícias ou um novo desafio. Vai saber.
E para não ajudar, salas de espera são muito silenciosas.
Eu não sou o tipo de pessoa que gosta de bagunça e muito barulho. Mas pelo menos uma bagunça vez ou outra meio que mostra que tá todo mundo confuso mesmo, e estamos todos no mesmo barco.
No silêncio, você não sabe se o fulano que tá logo ali tá tão confuso quanto você ou se sabe muito bem o que tá fazendo. Se é que tem alguém na sala com você! Pode ser apenas você e o seu próprio silêncio - pior ainda.
O fato é que salas de espera geram uns sentimentos muito loucos na gente. Sendo assim, nada mais natural do que de vez em quando darmos uma enlouquecida básica pra tentar suprir tanta coisa que se passa na nossa cabeça.
Então, se você, assim como eu, está nessa grande sala de espera da vida, você vai ser chamado alguma hora. Não é que nós escolhemos estar aqui, mas por alguma razão nós precisamos disso.
E que escolha nós temos, não é? Ou acreditamos, ou seremos apenas idiotas sentados numa sala vazia - ou cheia, sei lá. Tire aí suas conclusões.

Nenhum comentário: